domingo, 31 de dezembro de 2017

O que é apateísmo, na prática?

O apateísmo é acima de tudo uma filosofia de vida, em que se coloca a existência em si em primeiro lugar.

Negligenciar ou ignorar a existência de Deus, não é de forma alguma ser anti-cristo ou anti-religioso.


Ser apateísta é simplesmente se colocar no centro do comando da sua própria vida e do seu destino!


Bom, para pegar duas definições públicas, segundo o Wikipedia:

Apateísmo é uma contração das palavras apatia e teísmo/ateísmo, também conhecido como ateísmo apático ou ateísmo pragmático, e caracteriza-se pela total apatia ou indiferença em relação à existência de deus(es). Por não caracterizar uma opinião religiosa, mas uma abstenção do debate religioso e da preocupação religiosa, o termo pode ser aplicado tanto a um teísta quanto a um ateísta. Em outras palavras, um apateísta é alguém que não considera a questão da existência nem inexistência de deuses nem significativa nem relevante para a sua vida.

E, segundo Leandro Karnall:


Para mim, ser apateísta, se tornou claro a partir de algumas situações e conclusões típicas da religião...

Existe vida após a morte?

Isso é indiferente.

Das pessoas que dizem haver vida após a morte ou reencarnação, quantas delas tem alguma lembrança de outras vidas ou tem contato com espíritos? Com certeza são bem poucas.

Então, se a chance de você se lembrar ou se relacionar com algo da outra vida é tão baixo, por que isso seria relevante na sua vida?

Estamos vivendo para aprender ou pagar algo que fizemos?

Enquanto muitas religiões dizem que sim, uma avaliação prática diz que isso é apenas uma forma de fugir da realidade.

Vou contar a minha história....

Moro em uma rua no centro de São Paulo onde vivem alguns mendigos. Todos os dias, saindo e voltando do trabalho cruzo com eles com um aperto no coração.

Se eu fosse religioso, talvez pensasse:

"Que Deus abençoe esta alma penada, deve estar pagando por algo que fez na última encarnação"

Ou então

"Que Deus o ajude a sair desta situação!"

Comodo não é mesmo? 

Desta forma, a pequena parcela que vive bem (que inclui eu, e provavelmente você), não precisa se preocupar em ajudar. Afinal, Deus sabe o que faz.

O Apateísta entende que independente da existência divina, somos inteiramente responsáveis pela nossa existência e quem convive conosco.

Existe certo ou errado?

Para algumas religiões, matar é algo errado em qualquer situação. Para outras, matar as vezes é uma "ordem divina". Para outras ainda, sacrificar um filho pode ser uma linda homenagem à Deus.

Quem está certo, se nem "matar´um ser humano" é um tema definitivo entre as religiões?

Logo, certo ou errado, é uma definição de bom senso e que evoluiu para que pudéssemos viver em comunidade.

O que as religiões fizeram em seus livros, foi escrever dogmas (definições do que era certo) para que as pessoas vivessem em comunidade e se defendessem do que fosse efetivamente perigoso - eventualmente o ataque de outras pessoas.

É certo matar? Não sei...

Na natureza parece que sim, é necessário. Entre os humanos especificamente, não seria mais necessário, mas grande parte dos assassinatos atuais são feitos em nome de uma religião ou de uma religiosidade.

Mais uma vez, é comodo fazer uma atrocidade, afinal de contas, você está matando em nome de Deus.

Por tudo isso, o apateísta acredita nas pessoas... Já Deus, se existir, bem.. se não, tudo bem também!

O Apateísta



Seja o primeiro a comentar

Homero Carmona... © 2008. Template by Dicas Blogger.

TOPO